Exposição em Romanos 9:

No presente artigo, analisaremos este que é considerado um dos capítulos mais polêmicos da Bíblia Sagrada.

ROMANOS 9

I. A CONDIÇÃO DE ISRAEL (1-3)

O foco do Apóstolo muda ao iniciar o Capítulo 9:

  • Nos oito capítulos anteriores, Paulo deixou bem clara a necessidade do homem e a graciosa provisão de Deus por meio de Cristo

  • Paulo termina o capítulo 8 com um ritmo forte, em reflexo do infinito e inseparável amor que Deus tem por aqueles que estão em um permanente e amoroso relacionamento com Ele (8: 9,28). Por que mudar o tom de forma tão dramática e ir para um tópico de grande tristeza e contínua dor no capítulo 9?

Paulo, assim como Cristo, faz um apelo de auto-sacrifício em favor de um Israel endurecido.

“Digo a verdade em Cristo, não minto; minha consciência o confirma no Espírito Santo”

Este não é apenas um apelo emocional do coração de um judeu que deseja muito ver sua própria nação salva. Vai além disso: É um testemunho do próprio Espírito que inspira uma profunda convicção no apóstolo e um desejo real por todas as almas perdidas.

“Tenho grande tristeza e constante angústia em meu coração.”

Paulo agora muda o tom. Ao invés de celebrar o relacionamento dos crentes, aqueles enxertados pela fé, ele reflete sobre a esmagadora maioria daqueles cortados por sua incredulidade, os de seu próprio país (Israel), um tema que continua nos capítulos seguintes (Rm 11:20).

Aqui, o apóstolo lida com seus sentimentos sobre a condição atual de Israel, que rejeitou seu próprio Messias. Como isso se reflete sobre a promessa de Deus feita a Israel (Gênesis 12: 3)? Será que Deus não conseguiu manter essa promessa? Se Deus não vai manter sua promessa a Israel, então como podemos saber que Ele vai manter sua promessa para nós?

“Pois eu até desejaria ser amaldiçoado e separado de Cristo por amor de meus irmãos, os de minha raça”

Isto é, um amor semelhante ao de Cristo: O auto-sacrifício em favor daqueles que se tornaram seus inimigos. Paulo novamente expressa seu desejo pelo Israel descrente em Rm 10: 1, que é repetido com uma citação da própria boca de Deus em Rm 10:21.

Isso também reflete o mesmo coração de Moisés referenciado pelo apóstolo em 9:15:

“Assim tornou-se Moisés ao Senhor, e disse: Ora, este povo cometeu grande pecado fazendo para si deuses de ouro.

Agora, pois, perdoa o seu pecado; se não, risca-me, peço-te, do teu livro, que tens escrito.”(Êxodo 32: 31-32).

Mais importante ainda, Paulo reflete o próprio desejo de Jesus, que estava disposto a ser amaldiçoado por seus inimigos para que eles pudessem ser salvos (Gl 3:13).

II. A PALAVRA CONFIADA A ISRAEL (4-5)

Dado que qualquer nacionalidade pode ser salva por meio da fé e muitos de Israel não criam, então qual o benefício em ser um judeu?

“Que são israelitas, dos quais é a adoção de filhos, e a glória, e as alianças, e a lei, e o culto, e as promessas;

Dos quais são os pais, e dos quais é Cristo segundo a carne, o qual é sobre todos, Deus bendito eternamente. Amém.”

Como mencionado pela primeira vez em Romanos 3:1-2, o apóstolo aqui lembra ao leitor o benefício ou a bênção de ser um descendente natural de Israel.

A própria Palavra de Deus foi confiada a Israel (Rm 3:2), que incluiu o MESSIAS e sua MENSAGEM redentora.

  • A revelação especial de Deus, de que tudo serviu para testemunhar e preparar o caminho para o Messias e Seu evangelho, veio por meio desta nação eleita.

  • A infidelidade de Israel e seu comportamento resultando em incredulidade não negam essa bênção, ou a promessa de que Deus primeiro a trouxe a esta nação eleita (Gn 12: 3; Rm 3:3-4).

III. PORQUE ESSA PALAVRA NÃO FALHOU

Uma vez que as mesmas pessoas encarregadas de levar a Palavra estão em pé de oposição a ela, quer dizer que Sua Palavra falhou? “Não que a palavra de Deus haja falhado”

Os encarregados da Palavra estão se opondo a Palavra, por isso, então, falhou a Palavra? A palavra de Deus não falhou, apesar de como as coisas possam parecer a partir de nossa perspectiva humana.

O cumprimento da Palavra de Deus, como prometido a Abraão, não depende da fidelidade de Israel (Rom. 3: 3-4).

“porque nem todos os que são de Israel são israelitas;”

Nem todo descendente de Israel é escolhido para realizar a finalidade para a qual Deus elegeu Israel.

Nem todo descendente de Israel é abençoado por estar na linhagem do Messias ou para ser um mensageiro inspirado da palavra de Deus.

Nem todo descendente de Israel tem sua salvação garantida, com base em estar de Israel (v7).

Então, os muitos descendentes de Israel que você está vendo em oposição à Palavra, não foram escolhidos por Deus para levar a Palavra, portanto, não se pode concluir que a Palavra de Deus falhou.

“Nem por serem descendência de Abraão são todos filhos; mas: Em Isaque será chamada a tua descendência.” Ou seja, aqueles que são os filhos da carne, estes não são os filhos de Deus; mas os filhos da promessa são contados como semente “.

Dois filhos de Abraão, por duas mães diferentes, são usados alegoricamente por Paulo para representarem os dois pactos: O da lei e o da fé, como o próprio comentário de Paulo explica em Gl. 4:21-25:

“Dizei-me, os que quereis estar debaixo da lei, não ouvis vós a lei?

Porque está escrito que Abraão teve dois filhos, um da escrava, e outro da livre. Todavia, o que era da escrava nasceu segundo a carne, mas, o que era da livre, por promessa.O que se entende por alegoria; porque estas são as duas alianças; uma, do monte Sinai, gerando filhos para a servidão, que é Agar.Ora, esta Agar é Sinai, um monte da Arábia, que corresponde à Jerusalém que agora existe, pois é escrava com seus filhos.” (grifo do autor)

Esta é a maneira do apóstolo de usar uma lição de história para recordar a sua audiência que ser uma semente de Abraão não significa ter garantidas as bênçãos listados nos versículos 4 e 5, que eram específicas para a semente de Isaque.

Tampouco garante a bênção eterna de ser um filho de Deus, que vem pela fé na promessa de Deus (simbolizada por Isaque, cujo nascimento veio pela graça) para todo aquele que crê, e não por obras da lei (simbolizada por Ismael, cujo nascimento veio pelas obras).

IV. O PLANO DE DEUS DE TRAZER A PALAVRA ATRAVÉS DE ISRAEL (9-13)

“Pois foi assim que a promessa foi declarada: “No tempo certo virei novamente, e Sara dará à luz um filho”

Esta é a maneira em que a palavra da promessa feita a Abraão (Gn 12: 3), deve ser cumprida.

Isaque será a linhagem através de quem a Palavra viria: O Messias e Sua mensagem vem através da semente de Isaque, não de Ismael.

Sara é uma mulher livre e representa a aliança de fé, em oposição ao pacto da lei representado pela escrava (Gl 4:21-25).

E não somente esta, mas também Rebeca, quando concebeu de um, de Isaque, nosso pai; Porque, não tendo eles ainda nascido, nem tendo feito bem ou mal (para que o propósito de Deus, segundo a eleição, ficasse firme, não por causa das obras, mas por aquele que chama), foi-lhe dito a ela: O maior servirá o menor. Como está escrito: Amei a Jacó, e odiei a Esaú.

O apóstolo está levando isso um passo adiante, não só visando provar suas alegações sobre os descendentes de Abraão serem verdadeiras, mas ainda mais especificamente, para mostrar que todos os descendentes de Isaque não são:

  1. Salvos asseguradamente com base em serem descendentes.

  2. Escolhidos para o nobre propósito de levar a Palavra para o resto do mundo.

A escolha de Deus por Jacó, o menor dos dois irmãos em idade e em aptidão física, ocorreu para o nobre propósito de levar a Palavra para o resto do mundo.

A escolha de Deus para cumprir Sua promessa não é baseada na imponência da nação (Dt 7: 7) ou a moralidade de seu principal representante (Gn 25:23).

O cumprimento da Palavra de Deus nunca dependeu da fidelidade ou da moralidade das pessoas escolhidas para realizá-lo (Rm 3: 3-4).

Nenhum dos irmãos seria justificado aparte da graça, mediante a fé em Deus, mesmo que eles fossem descendentes diretos de Abraão e Isaque. A salvação é e foi pela aliança da graça mediante a fé no chamado de Deus, e não no pacto da lei através de obras.

O ódio expresso em direção a casa de Esaú, refletido na citação de Malaquias, revela que:

  1. Mesmo descendentes diretos do próprio Isaque (Edom) não são escolhidos para os fins nobres para os quais Deus elegeu Israel, assim, não se deve assumir que a oposição de descendentes diretos à Palavra de Deus seja uma indicação de seu fracasso.

  2. Mesmo descendentes diretos do próprio Isaque (Edom) não tem sua salvação garantida, especialmente se eles permanecerem em oposição àqueles que são escolhidos para levar a Palavra de Deus. Como condicionada à promessa original … “amaldiçoarei os que te amaldiçoarem” (Gênesis 12:3).

Muitos exemplos nas escrituras são dados para mostrar o conceito de “ódio” referindo-se simplesmente preterindo (sem desdém) uma sobre a outra para uma tarefa nobre (Gênesis 29:31, 33; Deuteronômio 21:15; Mateus 6:24; Lucas 14: 26; João 12:25).

Esaú também foi abençoado e protegido por Deus (Dt. 23: 7, Gn. 33: 8-16, Gn. 36), de modo que o “ódio” ou era (1) condicionado ao ataque dos edomitas sobre Israel e/ou (2), em referência à seleção de Deus de Jacó e sua linhagem para o nobre propósito sobre Esaú e sua linhagem.

V. POR QUE DEUS É JUSTO EM MOSTRAR MISERICÓRDIA COM ISRAELITAS INFIEIS PARA REALIZAR SUA PROMESSA DE LEVAR A PALAVRA AO MUNDO (14-16)

Será que a escolha de Deus para abençoar um descendente em detrimento de outro descendente torna Deus injusto?

“Que diremos, pois? Há injustiça da parte de Deus? Certamente não!”

Os descendentes de Abraão nos dias de Paulo tinha duas falsas percepções:

Cada descendente merece o benefício de levar a Palavra de Deus. No entanto, a verdade é que só Deus escolheu um remanescente através dos quais levariam a Sua Palavra.

Cada descendente merece a vida eterna com base em fazer parte de Israel. No entanto, ninguém se salva com base na nacionalidade, mas apenas mediante graça através da fé. Essas nações, e os indivíduos que nelas há, que se opõem a Palavra de Deus permanecem sob a maldição (ódio), como ilustrado por Edom (descendentes diretos do próprio Isaque).

Não há injustiça da parte de Deus para a escolha de alguns descendentes por uma causa nobre e não outros, nem é injusto condenar um descendente de Abraão que está em oposição à Palavra de Deus.

Pois diz a Moisés: “Terei misericórdia de quem me aprouver ter misericórdia, e terei compaixão de quem me aprouver ter compaixão.”

A referência de Paulo ao encontro de Moisés com Deus em Êxodo 32-33 dá um exemplo histórico perfeito de quando Deus foi misericordioso com Israel quando eles mereciam ser destruídos por sua infidelidade (adorar um bezerro de ouro).

Este exemplo também é um paralelo à atitude de amor auto-sacrificial de Moisés (tal qual Cristo) para com Israel como também fora refletida por Paulo nos versos iniciais deste capítulo… “perdoa os seus pecados e se não risca-me …” (Ex. 32: 31-32).

Certamente, Deus pode optar por salvar todo aquele que Ele tem o prazer de salvar (a Escritura ensina que Ele escolhe para salvar aqueles que se humilham e arrepender-se na fé – 1 Pd 5:5-6), mas esta passagem é em referência ao Deus de misericórdia com a infiel Israel, de modo a cumprir sua promessa original através deles, mesmo que eles mereçam a condenação.

Assim, pois, isto não depende do que quer, nem do que corre, mas de Deus que usa de misericórdia

O “isto” refere à promessa de Deus de levar Sua Palavra ao mundo, apesar da infidelidade de Israel (Rm. 3:3-4). Esta promessa depende de nosso Deus misericordioso, e não da fidelidade (“dispostos em serviço”) de Abraão ou de seus descendentes.

Abraão “dispôs-se” na carne em produzir um filho através de Agar (que Paulo usou isso para representar simbolicamente o pacto da lei e obras, Gl 4:24).

Deus, por sua misericórdia, providenciou o nascimento de Isaque, através da mulher livre, Sara (que Paulo usou para representar simbolicamente o pacto da graça pela fé no chamado de Deus, Gal 4:. 21-26).

VI. POR QUE DEUS É JUSTO EM ENDURECER OS ISRAELITAS INFIEIS PARA REALIZAR SUA PROMESSA EM LEVAR SUA PALAVRA (17-18)

Porque a Escritura diz ao Faraó: “Para este propósito Eu te levantei, para que eu possa mostrar meu poder em ti, e para que o meu nome seja anunciado em toda a terra.”

Da mesma maneira que Deus endureceu a vontade já rebelde de Faraó, a fim de realizar a primeira Páscoa, assim também Deus endureceu as vontades já rebeldes de Israel para realizar a verdadeira Páscoa.

O poder e a bondade de Deus foram mostrados na misericórdia aos israelitas infiéis no dia de Moisés e no endurecimento os israelitas infiéis no dia do Messias.

Portanto, tem misericórdia de quem quer, e endurece a quem quer.

Às vezes, Deus vai cumprir suas promessas, mostrando israelitas misericórdia, mas Sua Palavra nunca falhará.

Às vezes, Deus vai cumprir suas promessas pelo endurecimento israelitas, mas a Sua Palavra nunca falhará.

Nota: Os judicialmente endurecidos, ou cortados, não nascem nesta condição, mas “são endurecidos à medida que crescem” ao longo de anos de rebelião (Atos 28:27), eles são cortados por conta da incredulidade (11:20) e a esperança do apóstolo é que eles podem ser enxertados de volta e sejam salvos (11: 11-32).

VII. SE A INJUSTIÇA DOS ISRAELITAS CUMPRE A PROMESSA DE DEUS DE LEVAR SUA PALAVRA, POR QUE ELES SÃO CULPADOS? (19-21)

“Você vai me dizer então:” Por que se queixa ele ainda? Quem tem resistido à sua vontade? Mas, ó homem, quem é você para responder contra Deus? ”

Vocês (Israelitas endurecidos para cumprir a promessa de Deus) me dirão (uma demonstração de misericórdia israelita para cumprir a promessa de Deus), “por que somos culpados se a vontade de Deus está sendo cumprida?”.

Como o apóstolo já havia indicado em 3:5, esse é um argumento artificial que revela um coração que se tornou insensível em sua rebelião, pelo contrário, eles podiam ver, ouvir, compreender e se arrependerem (Atos 17:30; 28:27).

“Porventura a coisa formada dirá ao que a formou:” Por que me fizeste assim? “O oleiro não tem poder sobre o barro, para da mesma massa fazer um vaso para honra e outro para desonra?”

O pedaço de barro endurecido representa Israel que está calejado, tinha crescido em rebelião (Atos 28:27) e que está agora sendo reformado em dois tipos de vasos:

  1. Os israelitas infiéis remoldados, por meio de sinais vindos do próprio Messias encarnado, para levar a Palavra de Deus ao mundo.

  2. Os israelitas infiéis remoldados, por meio de endurecimento judicial, para cumprir a frustrante (ao menos para eles) finalidade de trazer a redenção de cruz e, consequentemente, o enxerto dos gentios (mas eles ainda podem ser salvos, Rm 11: 11-32).

VIII. COMO A PALAVRA E A GLÓRIA DE DEUS SÃO REVELADAS PELO ENDURECIMENTO DE ISRAEL (22-24)

“E que direis se Deus, querendo mostrar a sua ira, e dar a conhecer o seu poder”

Assim como Deus se manifesta através de endurecimento judicial de Faraó, do mesmo modo Ele faz isso através de endurecimento judicial de Israel.

suportou com muita paciência os vasos da ira, preparados para a perdição;

Deus pacientemente suporta Israel, mesmo em sua obstinada rebelião, de modo a ser “cortado”, “dedicado” ou “preparado” para a destruição (como os edomitas e egípcios antes deles).

“Para que também desse a conhecer as riquezas da sua glória nos vasos de misericórdia, que para glória já dantes preparou,

Os quais somos nós, a quem também chamou, não só dentre os judeus, mas também dentre os gentios?”

A promessa feita a Abraão para abençoar todas as famílias da terra (pela vinda do Messias e Sua mensagem) está agora sendo cumprida através do endurecimento em Israel. Os vasos preparados para a misericórdia são “todas as famílias da terra” (Gn 12: 3) que Deus prometeu Sua bênção desde o início: “Todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo” (Romanos 10: 13; Joel 2:32).

IX. COMO TODAS AS NAÇÕES SE BENEFICIAM DO ENDURECIMENTO DE ISRAEL, POR ISSO ACARRETAR NA EXPANSÃO DA PALAVRA DE DEUS A TODO O MUNDO (25-29)

Como também diz em Oséias:

“Chamarei meu povo ao que não era meu povo, e seu amado, que não era amada.” E ela deve vir a passar no local onde foi lhes disse: ‘Você está não meu povo ‘, aí serão chamados filhos do Deus vivo. “

Observe que, mesmo no contexto original, o autor reconhece o amor genuíno de Deus para com Israel, apesar de sua rebelião (Os 3: 1), e isto é ecoado por Paulo ao longo de seu contexto inteira (Rm 9:1-3; 10:1,21; 11:11-32). Deus disse a Oséias para chamar seu filho “Lo-Ami”, que significa “Não meu povo”. No entanto, Deus também prometeu isso seria temporário.

As pessoas que não eram conhecidas formalmente por serem Seu povo estão agora beneficiando-se do plano redentor que Deus trouxe a ambos os vasos de honra e de desonra, formados pelo misericordioso oleiro a partir da massa de barro israelita predominantemente infiel.

Paulo está usando as Escrituras para demonstrar que este sempre foi o misterioso plano redentor de Deus (Ef 3:1-13).

“Isaías também exclama acerca de Israel: ‘Ainda que o número dos filhos de Israel seja como a areia do mar, o remanescente será salvo. Para Ele completará a obra e abreviá-la-á em justiça, porque o Senhor fará breve a obra sobre a terra “E como Isaías disse antes:”. A menos que o Senhor dos Exércitos não nos tivesse deixado descendência, teríamos tornado como Sodoma , e teríamos sido feitos como Gomorra’. “

Independentemente da infidelidade israelitas ao longo das gerações, Deus sempre salvou um remanescente crente da destruição física, a fim de realizar a finalidade para a qual Israel foi eleita pela primeira vez: Levar Sua Palavra ao mundo. A promessa de Deus não falhará, mesmo se Israel for infiel.

Se Israel tivesse recebido o que merecia, teria sido como as antigas cidades de Sodoma e Gomorra.

Embora o número de descendentes naturais seja incontável, como toda a areia do mar, só os israelitas que (como os gentios) buscavam a justiça pela fé iriam alcançá-lo.

X. O PRÓPRIO COMENTÁRIO DE PAULO NESTA PASSAGEM A RESPEITO DA FÉ NA PALAVRA X AS OBRAS DA LEI (30-33)

“Que diremos pois? Que os gentios, que não buscavam a justiça, alcançaram a justiça? Sim, mas a justiça que é pela fé.

Mas Israel, que buscava a lei da justiça, não chegou à lei da justiça.”

Os gentios não buscaram a lei e nem desejaram guardar os mandamentos a fim de ganhar o favor de Deus (as leis da aliança representadas por Agar / Ismael presentes no início do capítulo), mas eles confiaram na sua promessa (a promessa de aliança representado por Sara / Isaque , ver Gl 4:21-26).

Os israelitas de fato buscaram e desejaram guardar os mandamentos, a fim de ganhar o favor de Deus (muito parecido com Abraão tentando produzir um filho na carne através de uma escrava), mas eles não conseguiram.

Desde o início deste capítulo, o assunto é a respeito de fé x obras e não sinergismo x monergismo. A salvação é toda de Deus. Contudo, o nosso Deus soberanamente escolhe para salvar aqueles que buscam a justificação pela fé e não por obras, independentemente da sua nacionalidade ou moralidade.

“Por quê? Porque não decorreu da fé, mas como que pelas obras da lei. Para eles tropeçaram na pedra de tropeço que. Como está escrito: ‘Eis que eu assentei em Sião uma pedra de tropeço e rocha de escândalo, e aquele que nela crê não será confundido. “

Por que os israelitas não foram capazes de alcançar justiça? Foi porque eles foram rejeitados por Deus antes da fundação do mundo e não lhes foi dada a graça de que precisavam para acreditar? De maneira nenhuma! A resposta do Apóstolo é clara e a diferença é a x obras e não escolhidos x preteridos.

A idéia de um Messias crucificado pelas próprias mãos dos israelitas tornou-se uma “pedra de tropeço e rocha de escândalo”. Admitir que Jesus era o Messias iria obrigá-los a confessar a vergonha deles terem-no crucificado. Entretanto, o apóstolo lembra-lhes que aquele que creram em Cristo não serão envergonhados por sua atitude errada (ver também Rm 10:11).

Ao longo desta carta à igreja em Roma, Paulo explica claramente que a salvação é alcançada pela fé e não por obras. Então, por que alguns foram incapazes de alcançar a justiça? Eles buscaram a justiça pela Lei (Rm 3:10-19), e não pela fé (Rm. 3:21-31). Não se deve supor que por conta de a justificação pelo primeiro (obras) ser inatingível, segundo (fé) também seja.

 

Artigo original, por Leighton Flowers: Line by Line through Romans 9

Tradução e Adaptações por Raulex Ramos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s